ECOSOC Youth Forum side-event | SSE and IVET: A step forward to create a meaningful future

ECOSOC Youth Forum side-event | SSE and IVET: A step forward to create a meaningful future

Partilha esta noticia/ share this article:

O evento paralelo de ESS e FPI: A step forward to create a meaningful future do ECOSOC Youth Forum 2021 realizou-se no dia 6 de abril.

O evento teve por objetivo discutir o potencial de combinar a Economia Social e Solidária (ESS) e a Formação Profissional Inicial (FPI) para promover modelos socioeconómicos alternativos, necessários numa era de transição.

Por um lado, a ESS é um modelo socioeconómico alternativo, enraizado em práticas e valores inclusivos, altamente necessário numa era de transição marcada pela atual situação pandémica e pelas necessidades de apoio e recuperação aos níveis social, económico e ambiental. Neste sentido, a ESS pode contribuir para reverter o caminho da destruição e exploração do nosso planeta. Como a ONU salientou no ano passado, a ESS é um fator-chave na formação de uma recuperação centrada nas pessoas e é sensível em relação ao planeta, nomeadamente porque a promoção da ESS impulsiona a cidadania ativa, a democracia participativa e os sistemas económicos pluralistas, o que é essencial, especialmente em situações de crise, pois consegue chegar aos grupos mais vulneráveis e marginalizados. A oportunidade de apresentar e desenvolver a ESS como a economia do futuro, envolvendo organizações e praticantes da ESS, é clara. Neste sentido, compreendemos que as próximas gerações – os jovens – têm um papel fundamental a desempenhar. O envolvimento dos jovens na criação de uma mudança cultural para a igualdade, a sustentabilidade e uma cidadania renovada é crucial para o futuro. Ao mesmo tempo, os jovens sofrem de diversos constrangimentos devido a crises anteriores que têm vindo a aumentar em consequência da pandemia, e já reclamam mudanças nas políticas e práticas públicas. Para tal, é necessário integrar este modelo socioeconómico alternativo nos seus quadros de ideias e atitudes.

Por outro lado, uma mudança de paradigma requer a mudança de consciência, uma nova mentalidade de trabalho e o desenvolvimento de competências. É por isso que a educação e a formação são uma parte fundamental deste processo; especialmente programas de FPI. Por isso, os currículos de FPI têm de ser inovadores, a fim de responder às necessidades de desenvolvimento local com novas estratégias e de dotar os jovens de competências em diferentes áreas profissionais.

Embora a ESS seja raramente mencionada nos currículos de formação, a ESS e a FPI têm certos aspetos comuns: o desenvolvimento de competências fundamentais para a cidadania, a atenção ao desenvolvimento de soft skills (como competências sociais e cívicas, iniciativa e empreendedorismo, sensibilização e expressão cultural) e a atenção às metodologias de aprendizagem pelos Pares. Além disso, a FPI oferece um acesso aos jovens e a ligação com as qualificações profissionais das quais a ESS poderia beneficiar, neste esforço, para chegar às próximas gerações. Por isso, a APDES e os seus parceiros Solidarius, Mouvement pour l’Economie Solidaire, CRIES, TechNET, DOCK e RIPESS Europe têm vindo a desenvolver projetos sobre este tema desde 2016, no âmbito do Programa Erasmus+ da União Europeia.

No evento, que reuniu mais de 50 participantes de diferentes locais do Mundo, as boas práticas que foram pilotadas foram partilhadas, e acompanharam discussões sobre como a educação é um caminho para a transformação social e económica e sobre o trabalho futuro.

Assista ao evento aqui: shorturl.at/iuyGY