O nosso trabalho junto de profissionais do sexo

O nosso trabalho junto de profissionais do sexo

Partilha esta noticia/ share this article:

É o estigma, o preconceito e o desconhecimento sobre a realidade das trabalhadoras e dos trabalhadores do sexo que os faz sentirem-se inseguros. O trabalho sexual é um trabalho precarizado, como muitos outros, mas a maioria das pessoas que o exerce dizem que é com a discriminação que mais sofrem. Isto afasta-as dos cuidados de saúde primários e do convívio com outras pessoas, levando-as ao isolamento. 

Veja aqui o nosso infográfico sobre 5 factos sobre o trabalho sexual que você precisa conhecer.

Em todo o mundo, os movimentos de profissionais do sexo lutam por direitos laborais, proteção social e pelo reconhecimento de que trabalho sexual é trabalho. A APDES apoia esta luta há 12 anos por meio do seu projeto, o PortoG. 

O PortoG, projeto destinado a atender a população de profissionais do sexo, trabalha há 12 anos na região do Grande Porto e atende mais de 500 trabalhadoras do sexo por ano. 

  • Vai onde estas pessoas estão e distribui preservativos, lubrificantes e faz a ponte com os cuidados de saúde primários. Em média, por ano, o PortoG distribui cerca de 123 000 materiais preventivos.
  • Faz rastreios a ISTs e encaminha para os cuidados de saúde quando necessário.
  • Mantém as redes sociais com informações na área de redução de riscos para esta população (link Porto/ logo PortoG).

Apoia também a luta pela descriminalização do trabalho sexual com ações de defesa de direitos (advocacy).

  • Publica diversos materiais sobre o assunto e presta informação jurídica às pessoas e organizações. 
  • Trabalha em rede com outras organizações e o Movimento de Trabalhadorxs do Sexo em Portugal, como a RTS, o MTS, a ESWA e o NSWP.

Todo este trabalho é feito graças aos financiamentos públicos, que não cobrem todo o espetro do nosso trabalho, e outros donativos que nos permitem apoiar a luta desses profissionais pelo reconhecimento da sua atividade e pelo fim do estigma que os torna mais vulneráveis. 

Para nos fazer um donativo, veja aqui.

Para conhecer um pouco mais sobre o nosso trabalho: