Tuberculose: APDES alia-se à DGS para novo projeto

Tuberculose: APDES alia-se à DGS para novo projeto

Partilha esta noticia/ share this article:

A APDES foi um dos parceiros escolhidos pela Direção-Geral da Saúde (DGS) para implementar um projeto de promoção do acesso ao rastreio, diagnóstico e tratamento da tuberculose em populações de maior vulnerabilidade no Porto e em Gaia.

Estes projetos serão implementados pelas equipas do GIRUGaia e do Porto G.

GIRUGaia

Pretende-se contribuir para a erradicação da Tuberculose em Portugal, através da promoção do acesso ao rastreio, diagnóstico e tratamento junto de populações vulneráveis, tais como pessoas que utilizam substâncias psicoativas (predominantemente cocaína em base e heroína), pessoas com problemas ligados ao consumo de álcool, pessoas que fazem trabalho sexual e pessoas em situação de sem abrigo e migrantes; e do aumento da literacia em saúde daquelas populações e da comunidade em geral.

Com este projeto, o GG pretende, assim, reforçar a intervenção que tem vindo a desenvolver em matéria de TB em Gaia, melhorando e aperfeiçoando os procedimentos de acesso ao rastreio, diagnóstico e tratamento para a Tuberculose. Propõe-se ainda em simultâneo, a manter atualizados os rastreios a doenças infeciosas, nomeadamente o VIH, uma vez que frequentemente, e corroborando o que a literatura refere, surgem casos de co-infeção.

Com duração de 1 ano e promovendo um trabalho de proximidade, o projeto pretende aplicar o inquérito de sintomas de Tuberculose a utentes do GG e parceiros, promover a acompanhar a Toma de Observação Direta (TOD) em pessoas sob tratamento de Tuberculose ativa e aumentar a literacia em Tuberculose, através de ações de sensibilização.

O projeto conta com os seguintes parceiros: AMI, Abraço, CM Vila Nova de Gaia e Centro de Diagnóstico Pneumológico.

PortoG

Pretende-se contribuir para a erradicação da Tuberculose em Portugal, através da promoção do rastreio de tuberculose em populações vulneráveis, do apoio ao cumprimento do tratamento da tuberculose aos doentes sob Toma de Observação Direta (TOD) ou sob tratamento preventivo, da promoção da literacia em tuberculose aos indivíduos acompanhados pelo PortoG, nomeadamente pessoas que fazem trabalho sexual no Concelho do Porto.

A experiência da APDES com TS corrobora a bibliografia de referência nesta temática e aponta para múltiplas vulnerabilidades: população constituída por (i) mulheres cisgénero e transgénero, (ii) pessoas migrantes, maioritariamente, indocumentadas (iii) pessoas utilizadoras de substâncias psicoativas, (iv) especialmente afastadas das estruturas sociais e de saúde, (v) com condições precárias de trabalho, (vi) em constante mobilidade, (vi) mais expostas às práticas sexuais (o que cria uma necessidade de maior domínio/conhecimento sobre VIH, ISTs e TB) , e (vii) altamente estigmatizadas, alvo de frequentes violações dos mais elementares direitos. Neste sentido, sendo a intervenção do Porto G dirigida a pessoas que fazem trabalho sexual, o seu contexto de intervenção contempla as populações consideradas prioritárias neste concurso: pessoas migrantes, TS, dependentes de álcool ou drogas ilícitas, com especial atenção para a co-infecção Tuberculose-VIH, pela sua interseccionalidade

Com duração de 1 ano e promovendo um trabalho de proximidade, o projeto pretende aplicar o inquérito de sintomas de Tuberculose a utentes do GG e parceiros, promover a acompanhar a TOD em pessoas sob tratamento de Tuberculose ativa e aumentar a literacia em Tuberculose, através de ações de sensibilização.

O projeto conta com os seguintes parceiros: ACES Porto Oriental, Centro Comunitário São Cirilo e Centro Nacional de Apoio à Integração de Migrantes.